Estudo da Semana

BONDADE MÚTUA: PRÁTICA E VALOR

Sejam bondosos uns para com os outros é o ensinamento que o apóstolo Paulo deixa à igreja de Éfeso (4.32). O versículo em questão segue sua explanação sobre a unidade do corpo de Cristo. Ao deixar de lado a amargura, ele pede que ela seja substituída pela bondade, pela misericórdia.

Em nosso estudo anterior vimos que ser bondoso é “expressar amor e boa vontade aos irmãos por meio de atos de generosidade e consideração, dentro de qualquer circunstância, e sem esperar recompensa”. Pensando dessa maneira, vemos que ser bom não é um estado fixo de nossa vida, como ser homem, mulher, mas uma atitude prática que tomamos em nosso viver diário. A Bíblia não diz para simplesmente sermos bons, mas para sermos bons uns para com os outros. Isto implica um estilo de vida onde não há lugar para o egoísmo ou o individualismo.

Ser bondoso é ser tolerante com as falhas do próximo, lembrando que Deus é mais que tolerante conosco. Ser bondoso é ter uma palavra agradável e positiva para distribuir aos que estão por perto. Ser bondoso é saber escutar, compreender o ponto de vista do outro e conseguir abrir mão da própria opinião ou vontade em favor da saúde de um relacionamento. Ser bondoso é notar uma necessidade e fazer algo para ajudar, ainda que seja corrigir o irmão em amor.

Na 1ª Carta aos Coríntios, Paulo fala que o amor é bondoso (13.4, traduzido certas vezes como ‘benigno’). Amor e bondade caminham juntos e aquele que diz amar não pode viver outro estilo de vida senão a prática da bondade. Sem estar ligado a Cristo, qualquer tentativa de ser uma pessoa bondosa esbarrará em nossa tendência ao legalismo e à vaidade. Em Cristo conseguimos tolerar a fraqueza do irmão sem perder a paciência; teremos sempre uma palavra de ânimo e encorajamento para aquele que passa por algum tipo de dificuldade. Ofereceremos auxílio com alimentos ou roupas, financeiro àqueles que estão necessitados. Podemos visitar pessoas doentes ou isoladas devido a fatores que limitam sua locomoção. E, ainda, podemos ajudar aquele irmão acanhado ou que não consegue facilmente se ambientar no grupo ou contexto da igreja.

O sermos bondosos uns para com os outros é de grande valor à igreja. Primeiramente, fortalece os elos do mútuo amor. Cada membro do grupo fica sabendo que os outros realmente lhe querem bem e o consideram membro da família. E também, o mundo vê um bom testemunho de Cristo. Nas palavras do próprio Jesus, “com isso todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros” (João 13.35). Quanto mais nós, os cristãos, formos bondosos uns para com os outros, mais estaremos apresentando ao mundo, provando que o Pai realmente enviou o Filho e que esse Pai e Filho são bons. As pessoas sentirão atraídas para Jesus e para a vida abundante que Ele oferece. Será tão difícil seguir tal ensinamento nos dias atuais? Lembre-se do preço pago pelos seus pecados! Seu perdão foi comprado com o sangue de Jesus, derramado na cruz. Tenha em mente esse fato e permita que o amor que moveu o nosso Salvador também entre em seu coração.

Devocional: 1 Coríntios 13; João 13.31-35

Pr. Evandro Ávila