Estudo da Semana Anterior

SEJAM BONDOSOS UNS PARA COM OS OUTROS

Na igreja da cidade portuária de Jope havia uma senhora chama Tabita. Assim é que lhe chamavam os irmãos judeus; mas Lucas, escrevendo em grego no capítulo 9 do livro de Atos, traduz o nome para o grego: Dorcas. Essa cristã gastava muito tempo, esforço e dinheiro no auxílio material dos necessitados. Fazia e presenteava roupas, especialmente às viúvas da congregação. Que maneira bondosa de estar obedecendo ao mandamento: Sirvam uns aos outros!

Pode ser que também na igreja de que você faz parte haja uma ou mais pessoas do tipo

“Dorcas”. Gente sempre pronta a ajudar; a oferecer uma palavra de encorajamento ou apreciação; a fazer um esforço para mostrar aceitação e amizade àquele irmão quieto, acanhado, ignorado pela maioria. A uma pessoa que sirva aos irmãos dessa maneira, acredito que você concordaria em chamar de bondosa.

O mandamento está registrado em Efésios 4.31-32: Livrem-se de toda amargura, indignação e ira, gritaria e calúnia, bem como de toda maldade. Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus os perdoou em Cristo.

Ao analisar o mandamento sermos bondosos uns para com os outros, podemos definir como uma expressão de amor e boa vontade aos irmãos por meio de atos de generosidade, utilidade e consideração, dentro de qualquer tipo de circunstância, sem pensar em recompensa.

O mandamento usa a palavra bondosos, que também se traduz por bons ou benignos. A respeito de certas pessoas, muitas vezes pensamos: “Como o fulano é bom pra mim!” ou: “Como a beltrana é bondosa!”.

Eu reconheço uma pessoa bondosa pelas seguintes características:

____________________________________________________________________

____________________________________________________________________

Quero, agora, descrever algumas características de uma pessoa bondosa para nossa reflexão.

1. A pessoa bondosa é tolerante, sem fazer pouco caso do pecado (leia Romanos 12.9).

Ela não pode fazer vista grossa para o pecado ou fraqueza espiritual do outro, mas não exige a absoluta perfeição como condição de acolher.

2. Ela sempre tem uma palavra agradável e animadora.

3. Quando surge uma diferença de opiniões, ela cede ao ponto de vista do outro, desde que não se trate de nenhuma violação de princípio bíblico.

4. Ela sabe escutar.

5. Compreende.

6. Defende os direitos do outro contra toda injustiça.

7. Procura notar qualquer necessidade que o outro esteja passando e faz algo para ajudar.

8. Por desejar o maior bem do próximo, ela não hesita em repreendê-lo; mas faz de maneira suave e amorosa, respeitando tudo de bom que há na personalidade do outro.

Devocional: Atos 9.36-43; 1 João 3.11-18

Pr. Evandro Ávila